Rabdomiólise pelo Exercício – morte de fibras musculares

Rabdomiólise

É a morte aguda das fibras musculares e pode ser causada pelo exercício físico.

Ocorre quando há contração muscular excessiva, gerando uma isquemia (falta oxigenação às células musculares), em alguns exercícios, principalmente nos de alta intensidade, nos de maior duração , nos do tipo excêntricos.

Em geral, as toxinas liberadas pela agressão ao músculo não conseguem ser filtradas pelo rim, o qual também pode ter sua função comprometida, apresentando insuficiência renal.

Outras causas:

Medicações como estatina, anabolizantes, estimulantes (efedrina, dimetilamina, cafeína)

Comorbidades  (doença faliciforme, miopatias, doenças metabólicas)

Infecções

Drogas como álcool, cocaína, êxtase

Picada por cobra

Traumas

O que se sente?

Dor muscular, fraqueza, urina escurecida.

Outros sinais: febre, mal estar, náuseas, confusão, agitação, diminuição do volume urinário.

Como é feito o diagnóstico?

Além da queixa e dos sinais do paciente, alguns exames de sangue e de urina podem alterar-se.

A enzima muscular CPK (creatinofosfoquinase) apresenta valor altíssimo, na rabdomiólise, maior do que 1000 u/l ou 5 a 10 vezes maior o valor de referência.

Sobre a CPK: O valor de referência varia conforme etnia, genética e sexo. Na rabdomiólise pelo exercício, aumenta 2 a 12h após atividade física e diminui em 3 a 5 dias.

Outros exames de sangue podem alterar-se como ácido úrico, potássio, creatinina, uréia, transaminases (TGO e TGP), desidrogenase lática.

No exame de urina, mioglobina pode estar aumentada.

Como é o tratamento?

Repouso, bom sono, hidratação vigorosa pela veia, e, em casos graves de insuficiência renal, hemodiálise.

Quando há o retorno ao esporte?

Quando o médico do esporte autorizar o retorno ao esporte.

O paciente deve estar sem sintomas e com exames laboratoriais normais.

Iniciará com exercícios leves e progressão supervisionada pelo educador físico.

Como prevenir a rabomiólise?

Programação de treinos por profissional qualificado para promover aumento gradual e contínuo dos exercícios;

Hidratação e recuperação adequados;

Evitar uso de medicações, drogas e estimulantes, sem prescrição médica.

 

Natália Guardieiro
é médica do esporte e assistente no Hospital de Clínicas da Universidade de São Paulo (USP), especializada em fisiologia do exercício, nutrologia e dor. Trabalha no Clube Paineiras, HCFMUSP e na clínica Move (SP), acompanhou atletas de alta-performance na Copa do Mundo 2014 e nas Olimpíadas de 2016. Praticante de esportes como boxe, ciclismo e yoga, acredita no exercício físico como parte da medicina. Entre em contato em: (11) 975580047 ou  contato@nataliaguardieiro.com.br

2 Comentários

  1. Ben disse:

    Olá Dra. Sou médico, minha esposa praticou Miha durante 7 semanas associada com treinos de musculação. Teve rabdomiolise importante e está com sequelas há 6 meses. Ainda não se recuperou completamente, sente dores musculares e fadiga com pequenos esforços.
    Você conhece a Miha? Já tratou casos semelhantes?
    Grato

    • Olá, Tudo bem? A rabdomiólise pelo exercício pode ocorrer em qualquer tipo de exercício, inclusive pela eletroestimulação pelo Miha. Conheço o aparelho sim. Tenho alguns casos de rabdomiólise pelo exercício, mas não pela Miha.
      Caso queira uma opinião, posso atendê-la.
      Obrigada
      Abraços

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

7 − um =